A Coordenadoria de Vigilância em Saúde da cidade de São Paulo investiga uma suspeita de intoxicação por bórax utilizado na fabricação caseira de slime. A notificação do caso foi recebida pela Secretaria Municipal da Saúde no último dia 28. De acordo com o relato, os sintomas começaram no dia 14 de maio.

A pasta informou ainda que não tem autorização para passar detalhes e não confirmou se a paciente é a Valentina Asdurian, de 12 anos. A mãe dela, Cristiane Pagano, relatou na internet que a filha ficou 15 dias internada em um hospital em São Paulo e que o diagnóstico seria de envenenamento por bórax. Ela fez uma nova postagem nas redes sociais na semana passada afirmando que a menina recebeu alta e que vai terminar o processo de desintoxicação em casa.

Para a diretora da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Covisa, Rosa Nakazaki, o caso em investigação é diferenciado:

Até hoje só havia dois registros de intoxicação por bórax na base de dados que reúne os casos de doenças com notificação obrigatória às autoridades. Um deles aconteceu no ano passado e o outro em 2018, ambos sem relação com o slime.

A diretora da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Covisa, Rosa Nakazaki, relata quais são os sintomas da intoxicação pelo produto:

A Secretaria Municipal de Saúde afirmou ainda que prepara um alerta que será divulgado à imprensa e à população sobre o uso de bórax para fazer slime. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, disponibiliza um telefone para tirar dúvidas e também fazer denúncias de intoxicações: 0800-722-6001

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome