O presidente do Supremo Tribunal Federal afirma que a suspensão das investigações baseadas em relatórios do Coaf compartilhados sem autorização judicial busca proteger o cidadão. A medida foi tomada pelo ministro Dias Toffoli ao atender um pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro, alvo de inquérito aberto pelo Ministério Público.

Segundo ele, as informações genéricas envolvendo titularidade de contas suspeitas e montante movimentado podem ser encaminhadas livremente. Mas quando se trata de dados detalhados é necessário um controle judicial, defende Dias Toffoli:

A decisão do presidente do STF é provisória e vale até que o plenário julgue o caso definitivamente, em novembro. A Corregedoria Geral da Polícia Federal emitiu ontem uma circular a delegados de todo o país determinando a suspensão de todos os inquéritos, em andamento, que se basearam em relatórios do Controle de Atividades Financeiras sem autorização judicial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome