Seis meses depois, 22 famílias ainda esperam para enterrar seus entes queridos, desaparecidos após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. Quase todos trabalhavam na mineradora; há também uma vítima que estava na pousada Nova Estância, totalmente destruída pela lama de rejeitos, ainda não encontrada.

Entre as famílias dos 248 mortos confirmados, a tentativa de reconstruir a vida ainda engatinha, como você ouve no segundo capítulo desta série especial de reportagens.

Confira mais detalhes:

24/07/2019 – Após a tragédia em Brumadinho uso de ansiolíticos aumentou 60% e antidepressivos 30%

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome