Soleimani era um dos homens mais poderosos do Irã. (Foto: Getty)

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, decretou luto nacional de três dias e prometeu vingança pelo assassinato de um dos principais líderes da Guarda Revolucionária Iraniana, o general Qassem Soleimani. O militar morreu após uma bombardeio promovido pelos Estados Unidos.

Segundo a imprensa norte-americana, o Exército do país está em alerta máximo para possíveis reações iranianas. Em Israel, os militares também estão mobilizados, assim como o grupo Hezbollah e outras milícias regionais pró-Irã.

O bombardeio realizado pelos EUA gerou também repercussão de organismos internacionais. A relatora especial da ONU para execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, afirmou que o governo americano precisa comprovar que o representante do governo iraniano apresentava riscos ao país.

Segundo ela, a ação dos Estados Unidos, provavelmente, foi ilegal. O Pentágono confirmou que o bombardeio foi ordenado pelo presidente Donald Trump. De acordo com a Casa Branca, Qassem Soleimani planejava ataques contra bases norte-americanas.

Soleimani era um dos homens mais poderosos do país e muito próximo ao líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei. Responsável por operações especiais fora do território iraniano desde 1998, o general também era apontado como principal nome da estratégia militar e geopolítica do Irã.

O ministro do Exterior iraniano, Mohammad Javad Zarif, classificou a morte de Soleimani como “um ato de terrorismo internacional”. Ele ainda afirmou que os Estados Unidos são responsáveis por todas as consequências deste ato.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome