A Organização Mundial da Saúde vai se reunir, nesta semana, com cientistas e instituições de pesquisa de vários países que trabalham para criar uma vacina contra o coronavírus.

O objetivo é avaliar como está a corrida no combate à doença e os esforços empreendidos. Para o coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz, Rivaldo Venâncio, apesar de o desenvolvimento de uma vacina estar avançando, ela não deve ficar pronta tão cedo.

Em entrevista à BandNews FM, o professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul explicou que são necessários muitos testes de segurança para a produção de um medicamento.

 

Os brasileiros repatriados da China que chegaram ao Brasil continuarão isolados na Base Aérea de Anápolis, em Goiás, até o fim deste mês. O grupo de 34 pessoas não apresenta sintomas do coronavírus, mas, por medida de segurança, terá de aguardar 18 dias para voltar para casa.

O coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz explica que esse é o período de incubação do vírus somado a uma margem de segurança adotada pelo Ministério da Saúde.

 

Não há casos de coronavírus confirmados no Brasil. Onze suspeitas são investigadas e quase 30 já foram descartadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome