Quase 650 mil postos de trabalho do setor cultural no Estado de São Paulo estão em risco por causa dos efeitos da pandemia do coronavírus. Os 57 espaços geridos pelo governo ficarão fechados por pelo menos TRINTA dias para tentar evitar a disseminação da doença.

A medida – prevista em decreto – deve gerar perdas de quase 35 bilhões de reais aos cofres públicos. A estimativa é da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa e engloba um período de até SEIS meses contados a partir de agora.

Esse é o tempo que devem durar os efeitos do cancelamento de toda a programação prevista para o primeiro semestre deste ano.

A pasta tem hoje um milhão de funcionários, dos quais 65 por cento são informais, autônomos ou microempreendedores. O secretário de Cultura e Economia Criativa de São Paulo, Sérgio Sá Leitão, diz que estuda medidas para tentar reduzir os impactos econômicos:

Muitos dos eventos culturais poderão ser adiados; outros, no entanto, terão de deixar de vez o calendário. É o caso da exposição “Leonardo da Vinci – 500 Anos de um Gênio”, até então em cartaz no MIS Experience. O evento recebeu mais de 400 mil pessoas e, com o sucesso de público, havia sido prorrogado até 31 de maio, mas será cancelada por razões contratuais.

No que diz respeito aos eventos privados, o secretário Sérgio Sá Leitão reitera a recomendação de evitar aglomerações no momento em que se combate a epidemia do coronavírus:

Desde o início da semana, as instituições culturais têm buscado maneiras de levar conteúdo ao público por plataformas digitais:

 

A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo fará, inclusive, vídeos inéditos de apresentações individuais dos principais músicos da fundação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome