As investigações avançam pelo mundo e, no Peru, o ex-presidente Ollanta Humala (2011-2016) está perto de se tornar alvo da primeira denúncia no exterior, com base nas delações da Odebrecht.

Preso desde o início das investigações, em julho de 2017, o político peruano é acusado lavagem de dinheiro e Caixa 2 por receber US$ 3 milhões em troca de vantagens na campanha de 2010.

No mês passado, a Justiça do Peru pediu a extradição de outro ex-presidente, Alejandro Toledo (2001-2006), tido como beneficiário de US$ 20 milhões no contrato de construção da Transoceânica.

Ele está nos Estados Unidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome