As empresas aéreas não podem cancelar a passagem de volta mesmo se o cliente não tiver comparecido para o voo de ida de uma viagem. A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que analisou o caso de dois consumidores que compraram bilhetes para ir de São Paulo para Brasília.

O plano era embarcar pelo aeroporto de Guarulhos, mas, por engano, eles fizeram reserva num voo que saía de Viracopos, em Campinas. Quando perceberam o erro, os dois optaram por arcar com o prejuízo: compraram novos bilhetes com embarque em Guarulhos e mantiveram as passagens de volta.

Ao tentar embarcar em Brasília, no entanto, eles foram informados de que a volta tinha sido cancelada por causa do não comparecimento em Viracopos. Resultado: eles tiveram de comprar outras passagens de volta.

O advogado especializado em direitos do consumidor Vinícius Zwarg diz que o cancelamento em caso de “no show”, ou de não comparecimento, é prática comum – mas, na decisão, o STJ considerou a regra abusiva.

“A regra vai além do razoável. Fere a boa-fé, fere a equidade. Nesse caso, o consumidor faz uma viagem de ida e volta e acaba onerado com duas idas e duas voltas. O STJ considera que um lado da história ficou mais confortável, do ponto de vista econômico, e o outro, que é o consumidor, ficou em absoluto desequilíbrio.”

Indenização de R$ 25 mil

A decisão da Quarta Turma do STJ segue um entendimento anterior de outra turma da casa. Em novembro do ano passado, uma passageira foi indenizada em R$ 25 mil depois de ter o voo de volta cancelado por não ter se apresentado para embarque no voo de ida.

Uma resolução da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de março de 2017 proíbe o cancelamento automático do trecho de retorno em casos assim. Mas com uma condição: o consumidor precisa comunicar que não vai pegar o voo de ida até o horário contratado para embarque.

Para Vinícius Zwarg, mesmo essa regra vai contra o entendimento do STJ. “O STJ entende de maneira distinta. A companhia aérea não poderia cancelar o trecho de volta, pouco importando se ele ligou ou não ligou”, diz.

A reportagem pediu posicionamento da Anac sobre o assunto, mas não obteve resposta até o momento.

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome